Seja muito bem-vinda/e/o à Rede Comuá!

Nasce a Aliança Territorial durante o Mês da Filantropia Que Transforma

Sete organizações membros da Comuá que fundam a iniciativa realizaram primeiro encontro em Santos, na sede do Instituto Procomum

Nos dias 4, 5 e 6 de setembro, representantes da Casa Fluminense (RJ), do Fundo Brasileiro de Educação Ambiental – FunBEA (SP), do Instituto Comunitário Grande Florianópolis (SC), do Instituto Comunitário Baixada Maranhense (MA), do Instituto Procomum (SP), da Redes da Maré (RJ),  e da Tabôa Fortalecimento Comunitário (BA) se reuniram em Santos, São Paulo, para realizar a primeiro encontro da Aliança Territorial para planejar o futuro com foco na filantropia comunitária e territorial. O encontro contou com o apoio da Rede Comuá, integrando as ações do calendário do Mês da Filantropia que Transforma, e serviu a criação do plano de ação para 2024 e definição de resultados esperados até 2026, com a facilitação de Luciana Martinelli e Bruna Mattos, da consultoria Dialógica – Desenvolvimento Humano e Institucional.

O sonho coletivo que moveu as nossas organizações até Santos nasce de uma semente plantada dentro de uma Comunidade de Práticas da Comuá, entre ICOM, FunBEA e Tabôa para diálogo e aprendizagem coletiva sobre a estruturação e a gestão de fundos de desenvolvimento territorial, a partir das colheitas realizadas em seus diferentes contextos. Foi a partir desse terreno fértil de reflexões e possibilidades que brotaram conexões com outras quatro organizações membro da rede – Casa Fluminense, Instituto Baixada, Instituto Procomum e Redes da Maré, que também se reconhecem como organizações de base territorial. 

Os dois primeiros dias do encontro foram dedicados para ajustar as velas das embarcações a fim de fluírem com os mesmos ventos. Cada uma pode apresentar o quê tem realizado com o seu território, firmar acordos e escutar a colheita de impressões de parceiros do ecossistema da filantropia sobre a ideia da Aliança Territorial, o que proporcionou o entendimento das forças, desafios, contextos e conexões possíveis para o início da nossa jornada coletiva. No terceiro e último dia do encontro, foi dado início a prática dos intercâmbios entre as redes das organizações, uma das estratégias previstas no escopo da iniciativa. O Instituto Procomum pensou a programação de modo que as organizações pudessem se inspirar e trocar com os grupos de trabalho do LAB Procomum, empreendedoras e lideranças comunitárias santistas. 

Legenda: Calu Narcizo do GT Inglês do Zero, Omo Alamoju, mestre do grupo Afroketu, e a chef Luana Camargo, da Quitutes da Lua compartilharam os projetos vêm desenvolvendo com apoio do Procomum /  crédito: @negueba.ph @_oiipaulo @foco.dgr

Desde as dinâmicas de corpo, as rodas de debate e até a escolha do IP como primeiro pouso da Aliança Territorial, nos ajudaram a dar forma a nova identidade comum e coletiva.  Foram três dias olhando para dentro, buscando aprender uns com os outros e construindo laços de confiança, um exercício coletivo que é marca da nossa prática de filantropia comunitária territorial no dia a dia. E foi assim que identificamos a atuação presente no território como o nosso vínculo, a diversidade de contextos, saberes e fazeres de nossas organizações e dos territórios como a nossa potência, e o fortalecimento do protagonismo comunitário como o nosso horizonte.

Neste setembro da Filantropia Que Transforma, a Aliança Territorial, então, ganha vida, com o propósito de evidenciar as especificidades da filantropia feita com e a partir dos territórios, fortalecendo as comunidades como protagonistas de soluções para os desafios vivenciados em seus cotidianos e impulsionando a construção de maior justiça socioambiental e cultural nos territórios. 
Construir a Aliança Territorial traz o fortalecimento do trabalho conjunto para o desenvolvimento do território no qual atuamos. Só em 2022, os membros da Aliança Territorial doaram 2 milhões em recursos financeiros para doações diretas, apoiaram mais de 750 lideranças e 422 organizações, lideranças e grupos sociais em 136 municípios brasileiros. Para os próximos três anos, a Aliança tem como horizonte estabelecer um novo modelo de atuação coletiva, aumentar as trocas entre a rede para que consigam implantar e disseminar tecnologias sociais, implementar um modelo de governança compartilhado e pautar a prioridade do investimento em filantropia territorial.

Legenda da capa: A primeira foto coletiva da Aliança Territorial em nossa imersão de planejamento durante o Mês da Filantropia Que Transforma / crédito: @negueba.ph @_oiipaulo @foco.dgr

CONTINUE LENDO

Desafios da filantropia para tornar-se mais transformadora
Desafios da filantropia par...
29 de novembro de 2023
Uma aliança pioneira pela filantropia socioambiental no Sul Global
Uma aliança pioneira pela f...
28 de novembro de 2023
Climate finance, civil society and the rights agenda: reflections on community philanthropy
Climate finance, civil soci...
28 de novembro de 2023
Financiamento climático, sociedade civil e a agenda de direitos
Financiamento climático, so...
24 de novembro de 2023
Carregando mais matérias....Aguarde!