Seja muito bem-vinda/e/o à Rede Comuá!

O poder do ‘nós’: a formação de redes como ativo filantrópico central

O poder do ‘nós’: a formação de redes como ativo filantrópico central

Foto: Sean / Adobe Stock

Por Marcello Stella e Carolina Alencar, responsáveis pela área de projetos do Instituto Phi

Há algum tempo, as pesquisas em ciências sociais e humanidades têm deixado de pensar a riqueza e o bem-estar somente do seu ponto de vista econômico e financeiro. São diversos os autores e correntes que passaram a indicar que existem diversas modalidades e formas de se classificar e considerar o que constitui uma vida confortável, feliz, segura e plena, de acordo com o contexto sociocultural de cada indivíduo. Assim, em um país como o Butão, onde a renda per capita é bem inferior à das nações mais ricas do mundo, por outro lado, o índice de felicidade de sua população é considerado o mais elevado, inclusive sendo o aspecto mais relevante a ser medido pelo Estado butanês.

Isso não se trata apenas de uma curiosidade, pois as diferentes maneiras de se encarar e medir modos de vida, acesso a direitos, igualdade e desigualdade de renda, e formas de capital (social, econômico, cultural, cognitivo etc.) implicam em interpretações e intervenções diversas em uma determinada realidade local. Nessa perspectiva, um olhar cuidadoso sobre a intensidade de vínculos, redes ou laços sociais se coloca também como um elemento fundamental para avaliar aspectos individuais e coletivos de um determinado grupo, território e sociedade. Pois vínculos mais ou menos intensos e variados podem afetar os caminhos e percursos possíveis de uma determinada pessoa, grupo ou sociedade: a rede de laços sociais que ela constrói ou incorpora é extremamente relevante, pois como sugere Marques (2009),

“as redes de um indivíduo medeiam o acesso dos indivíduos a estruturas de oportunidades.”

Usamos o trabalho de Marques, 2009, como um dos exemplos de abordagem que buscam inverter a lógica costumeira de olhar para uma dimensão social apenas do seu ponto de vista econômico, ignorando, por exemplo, a importância das redes, vínculos e laços sociais.

Em seu estudo sobre redes sociais e pobreza urbana, o autor procura identificar se as redes de relacionamento das pessoas fazem diferença em termos de ascensão social e acesso a oportunidades. A ideia do autor é pensar a situação social de cada indivíduo de maneira multidimensional, e não apenas olhando para os dados econômicos rotineiramente avaliados, como renda, ocupação e bens. Ou seja, sua visão é de que somente aspectos econômicos são insuficientes para se compreender a posição de vulnerabilidade socioeconômica de uma determinada pessoa em seu contexto local.

Ao olhar para o conjunto de relações sociais que indivíduos em diferentes situações de vulnerabilidade se encontravam em comparação a outros indivíduos de classe média, o autor notou o seguinte cenário:

“e, quando comparadas com as redes de classe média, as redes pessoais de indivíduos pobres tendem a ser menores, mais locais e menos variadas em termos de sociabilidade.” (Marques, 2009, p. 480).

Essa rede menor, mais local e menos diversificada dos mais vulneráveis em relação à da classe média tendia a torná-los menos hábeis em mobilizar ajudas sociais através de seus contatos, pois possuíam poucos vínculos, normalmente de pessoas da sua mesma região, que não tinham acesso igualmente a serviços públicos, direitos e outras oportunidades sociais, e por consequência menos chances de conhecer alguém que pudesse oferecer um caminho para mudar sua situação ou lhe desse um impulso para alargar seus laços.

Apesar de não existir um estudo específico sobre organizações sociais e suas redes de vínculos, podemos pensar que o mesmo princípio que se aplica a indivíduos poderia se aplicar às OSCs. Menos conhecimentos de atores diversificados do ecossistema filantrópico, em termos de território e posições sociais, pode deixar uma organização mais isolada e com menores chances de acesso a oportunidades em relação a outras, com abundância de vínculos.

Neste quesito, o fortalecimento e a participação em fóruns, conselhos e programas de fellows, entre outros, são muito relevantes, pois podem ir gerando aos poucos laços sociais que, no curto, médio e longo prazo, poderão significar acesso a oportunidades de financiamento, capacitação e conexão com novos doadores e públicos, que são potenciais agentes de consolidação e fortalecimento institucional da OSC.

A organização alimentando uma rede ampla, territorialmente diversa e com acesso a diferentes formas de sociabilidades (empresas, grandes doadores, micro doadores, comunidade local, outras organizações sociais, fundações, consultorias, intermediários) tem potencialmente mais chances de ampliar sua estrutura de oportunidades, podendo acessar espaços, recursos e pessoas que, em um primeiro momento de isolamento, julgava inacessíveis.

Dessa maneira, o impacto gerado pelas organizações não é alcançado somente por meio de recursos financeiros ou conhecimento interno. Elas dependem significativamente de um fator intangível e poderoso: a densidade e variedade de vínculos/laços sociais construídos a partir de suas redes e relacionamentos com outros atores em seu ecossistema.

Esse adensamento de vínculos e laços não se limita apenas ao aspecto financeiro, mas abrange uma rica rede de conexões interpessoais, confiança mútua e valores compartilhados. É um ativo valioso que influencia diretamente na capacidade de uma organização social enfrentar desafios complexos e alcançar a sustentabilidade.

As redes de relacionamento são o alicerce desse adensamento. Elas são formadas através de uma variedade de interações, como eventos, cursos, workshops, visitas institucionais e, essencialmente, pelo compartilhamento de informações e conhecimento. Nestes ambientes, os valores e expectativas comuns emergem, fornecendo a base para parcerias estratégicas e para a distribuição eficiente de recursos disponíveis no ecossistema.

No entanto, é vital enfatizar que apenas a participação passiva em redes não é suficiente para superar as limitações das organizações sociais. O simples ato de conexão não garante que elas alcancem seus objetivos. É necessário ir além e estabelecer ligações eficazes e estratégicas com outras entidades do setor que compartilham causas semelhantes.

Além disso, a sustentabilidade vai além da captação de recursos financeiros. É também uma questão de flexibilidade e adaptação às mudanças no ambiente. As organizações sociais que funcionam em redes de troca de conhecimento se mostram mais flexíveis e dinâmicas, permitindo que se ajustem rapidamente às novas questões sociais em constante evolução.

Um elemento crucial no fortalecimento das redes e no desenvolvimento de vínculos e laços com diferentes atores é a confiança. Esta é uma moeda valiosa que se acumula ao longo do tempo por meio de relacionamentos sólidos e pela abertura e presença contínua no ecossistema. A confiança é um fator-chave que impulsiona a colaboração entre os diversos atores do ambiente e, muitas vezes, é conquistada com base em critérios sociais, culturais e históricos compartilhados.

Quando se fala em escolhas estratégicas, pensamos em definir bem os objetivos que a organização almeja alcançar e qual seu perfil de cultura interna, além de sua causa social, pois a depender desses e de outros fatores conexões com famílias, indivíduos, grandes empresas, organizações internacionais, podem fazer mais ou menos sentido. Para construir confiança é necessário demonstrar transparência sobre sua estrutura de governança e movimentação financeira, bem como sobre os resultados que se vêm obtendo a partir de suas ações e aproximar-se da comunidade a qual está vinculada.

Em resumo, o adensamento e variedade de laços e vínculos e as redes de relacionamento desempenham um papel fundamental na capacidade das organizações sociais de enfrentar desafios sociais. Ir além da mera conexão e estabelecer parcerias estratégicas, adaptar-se às mudanças e construir confiança são elementos essenciais para a sustentabilidade e o impacto positivo dessas organizações no desenvolvimento e inclusão social em comunidades vulneráveis.


MARQUES, E. C. L. As redes sociais importam para a pobreza urbana? Dados, v. 52, n. 2, p. 471–505, jun. 2009.

MARTELETO, Regina; SILVA, Antônio. Redes e capital social: o enfoque da informação para o desenvolvimento local. Ci. Inf., Brasília, v. 33, n. 3, p.41-49, set./dez. 2004.

CONTINUE LENDO

Publicação sobre comunicação comunitária e filantropia será lançada em junho
Publicação sobre comunicaçã...
24 de maio de 2024
Medir o que Importa é político!
Medir o que Importa é polít...
24 de maio de 2024
O que a filantropia comunitária e de justiça socioambiental nos ensinam sobre mobilização para tragédias climáticas
O que a filantropia comunit...
24 de maio de 2024
A escassez de financiamento direto e flexível para direitos humanos no Sul e Leste globais: reflexões sobre o cenário brasileiro
A escassez de financiamento...
24 de maio de 2024
Carregando mais matérias....Aguarde!