Seja muito bem-vinda/e/o à Rede Comuá!

Rede Comuá participa do Fórum UE-América Latina e Caribe

A convite do WINGS e da União Europeia, a diretora executiva da Rede Comuá, Graciela Hopstein, participou do EU-Latin America and the Caribbean Forum: Partners in Change (Fórum UE-América Latina e Caribe: Parceiros na Mudança, em tradução livre) no dia 13 de julho, como palestrante na mesa temática “Espaço cívico, direitos humanos e democracia: como fortalecer os espaços cívicos?”.

Participaram do debate Inés Poussadela, do CIVICUS (Uruguai), Cecilia Olea, do Centro de la Mujer Peruana Flora Tristán (Peru), Manfredo Marroquín, da Acción Ciudadana (Guatemala) e Irene Oostveen, da Associação Holandesa de Municípios (Holanda).

O Fórum contou com a participação de jovens, sociedade civil e autoridades locais, reunidos em Bruxelas nos dias 13 e 14 de julho, e teve como objetivo promover intercâmbio e debater oportunidades para construir um futuro sustentável e inclusivo para a União Europeia e América Latina e Caribe.

Dentre as recomendações que foram ponto de partida para a mesa sobre espaço cívico, direitos humanos e democracia, estavam: reforço da governança democrática e da participação; proteção dos defensores dos direitos humanos e promoção de um ambiente propício para que as pessoas exerçam seu direito de defender os direitos humanos (incluindo os direitos de associação e protesto); apoiar o diálogo aberto para tornar o espaço cívico uma realidade para os cidadãos; direito de acessar recursos e operar sem restrições e retaliações.

O marco do evento foi a iniciativa Global Gatway, da União Europeia, que visa reduzir a lacuna de investimento global em todo o mundo, em acordo com os líderes do G7, em parcerias de infraestrutura transparente, orientadas a atender às necessidades globais de desenvolvimento e infraestrutura. Alinhada com a Agenda 2030 da ONU e com o Acordo de Paris, a iniciativa busca estabelecer conexões sustentáveis e confiáveis que ajudem a enfrentar os desafios globais mais prementes, desde o combate às mudanças climáticas até a melhoria dos sistemas de saúde e o aumento da competitividade e segurança das cadeias de suprimentos globais.

Durante o Fórum, foram anunciadas linhas de financiamento entre União Europeia e América Latina. E foram preparadas recomendações para uma cooperação mais estreita entre atores não estatais e organizações de juventudes, apresentadas à Cúpula EU-CELAC (Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos) – bloco regional intergovernamental que reúne 33 países e cujo objetivo é ampliar integração regional e contribuir para a solução de problemas comuns –, que aconteceu também em Bruxelas, nos dias 17 e 18 de julho.

A diretora executiva da Rede Comuá fala um pouco mais sobre a participação e resultados.

Quais foram as principais temáticas e debates no âmbito do Fórum?

Os principais temas abordados em diversos painéis giraram em torno de questões como juventude, parcerias e engajamento nas agendas da União Europeia e América Latina; governança local e processos de descentralização; educação, desenvolvimento e acesso a tecnologia; espaço cívico, direitos humanos, justiça social e democracia; igualdade de gênero e sociedades de cuidado; cultura e diversidade; transição verde e sustentabilidade; migrações. Agendas que dialogam e estão alinhadas com as pautas da Rede Comuá e suas organizações membro que tem como foco a justiça social e direitos humanos, e que foram abordadas visando a construção de diretrizes e recomendações no contexto dos acordos de cooperação.

Uma discussão central a todos esses temas foi a da localização, que coloca os atores locais no centro da agenda humanitária e dos direitos humanos, transferindo a propriedade dos projetos e iniciativas dos atores internacionais para os locais. Essa discussão é central para a Comuá, não apenas porque está alinhada com as agendas e princípios da filantropia comunitária, mas porque abre a possibilidade de diálogo com fontes de financiamento preocupadas com o fato de que os recursos internacionais não têm capilaridade e não chegam onde precisam chegar. E certamente os membros da Rede podem contribuir com essa distribuição, dada sua capacidade de articulação com OSCs, movimentos e redes territoriais e da sociedade civil.

Como a filantropia pode contribuir para o avanço da CELAC em relação a um desenvolvimento econômico e social mais justo e inclusivo?

Acho que com a agenda da localização e com o interesse da cooperação europeia em investir na América Latina se abre uma janela de oportunidades para a filantropia independente de justiça social, destacando: o papel protagonista desta filantropia no enfrentamento de contextos adversos e particularmente dos fundos de justiça social, comunitários e territoriais para apoiar a sociedade civil com foco nas agendas de justiça socioambiental, direitos humanos e desenvolvimento comunitário, tendo como público prioritário as minorias políticas. Nesse cenário, a filantropia comunitária poderia ocupar um papel estratégico para a construção de linhas de apoio pautadas nas necessidades/demandas da sociedade civil (OSCs, movimentos, grupos); na capilarização/distribuição de recursos atingindo as bases e na confiança/flexibilidade como princípios de ação para doações (concessões); destacando o seu papel no fortalecimento da sociedade civil e da democracia.

Há recursos disponíveis, e um dos maiores desafios parece ser promover a capilaridade deles, para que cheguem nas bases. Como organizações como a Rede Comuá podem contribuir nessa direção?

Sim, há recursos expressivos, e o desafio radica na distribuição e democratização de acesso a esses recursos. Essa é uma discussão central, inclusive no contexto da cooperação internacional. A ajuda humanitária, por exemplo, não chega para quem precisa e, de fato, apenas um percentual muito pequeno é utilizado. A Rede Comuá e seus membros podem oferecer uma solução a esse problema porque uma das características fundamentais do seu trabalho é fazer chegar o recurso nas bases, nas comunidades, nas minorias políticas, a partir da parceria com organizações, grupos e movimentos da sociedade civil. A Rede e seus membros podem construir essas pontes entre a cooperação e os atores locais. O grande desafio é mostrar que existimos e que temos um trabalho sólido, com capacidade de gestão e com uma infraestrutura capaz de dar conta desses problemas.

Para conhecer mais sobre o evento, acesse: https://international-partnerships.ec.europa.eu/eu-latin-america-and-caribbean-forum-partners-change_en

CONTINUE LENDO

capa do blog
Pesquisa Doação Brasil 2022...
13 de setembro de 2023
capa do blog (3)
Comuá lança mapeamento de o...
12 de setembro de 2023
capa do blog (4)
Dia do Cerrado: como a fila...
12 de setembro de 2023
capa do blog
Encontro discute a comunica...
4 de setembro de 2023
Carregando mais matérias....Aguarde!