Seja muito bem-vinda/e/o à Rede Comuá!

Série de reportagens: 4. Os desafios para comunicar a filantropia comunitária de justiça social

Por Ana Letícia Silva e Paulo Motoryn

Série de reportagens: Os desafios para comunicar a filantropia comunitária de justiça social

Esta é uma série de reportagens com 4 textos derivados de uma entrevista coletiva realizada com as comunicadoras e comunicadores das organizações da Rede de Filantropia para a Justiça Social, identificando os principais desafios vivenciados para comunicar a filantropia comunitária e de justiça social a partir da prática d@ cominicador@es.

Recebemos as reflexões e as colocamos em diálogo compondo esses textos organizados por temas identificados ao longo da leitura e escuta (sistematização), a partir das seguintes perguntas:

● Qual a importância do trabalho que as organizações da Rede realizam para a sociedade? Qual o olhar d@s comunicado@es sobre esse trabalho e como ele revela o significado da Filantropia Comunitária e de Justiça Social para a sociedade?

● Que desafios @s comunicador@s têm enfrentado para comunicar o significado do trabalho das organizações da Rede para a sociedade?

Foram entrevistad@s: Larissa Amorim (Casa Fluminense); Silvia Dias e Fernanda Lopes (Fundo Baobá); Mônica Nóbrega (Fundo Brasil de Direitos Humanos); Renata Saavedra (Fundo Elas); Harley Nascimento (Fundo Positivo); Attilio Zonin (Fundo Casa); Ivanderson Pinheiro (Instituto Baixada); Andreia Coutinho (Instituto Clima e Sociedade); Stefani Ceolla (ICOM); Méle Dornelas (ISPN); Simone Amorim (Tabôa); Andrea Blum (Redes da Maré)

Reportagem 4:

Comunicação articulada em rede e sua potência para incidência em políticas públicas e no campo da filantropia

Comunicadores/as da Rede de Filantropia e Justiça Social falam sobre a aposta em uma lógica distribuída e participativa para potencializar estratégias de comunicação e transformar políticas públicas

A noção mais conhecida de comunicação em rede se traduz no surgimento da internet, que mudou substancialmente as condições e estratégias de circulação da informação. A comunicação em rede, porém, tem um longa história e um sentido profundo para a filantropia de justiça social.

O sociólogo espanhol Manuel Castells, um dos grandes responsáveis pela popularização do termo na sociedade, com a publicação de sua trilogia A Era da informação: Economia, sociedade e cultura, desconstrói o olhar atual do senso comum sobre a expressão. Segundo Castells, o fenômeno surge muito antes da World Wide Web (www), a rede mundial de computadores. Para ele, a internet apenas potencializou fenômenos que já eram existentes na sociedade. O espanhol defende, portanto, que a internet não é sinônimo de comunicação em rede, mas uma de suas possibilidades.

A visão de Castells, sobre a internet como ferramenta e a comunicação em rede como essência, se materializou nas entrevistas realizadas com os/as integrantes das equipes de comunicação das organizações que compõem a RJFS (Rede de Filantropia e Justiça Social). Os/as entrevistados/as deixaram nítido qual a essência da comunicação que praticam: atenta aos desafios e possibilidades das novas tecnologias de informação, mas que prioriza uma comunicação humana, baseada em parcerias e diálogos, portanto, em rede.

Os/as integrantes da equipe da Casa Fluminense, por exemplo, falaram sobre os desafios de uma comunicação ativa e participativa com lideranças sociais e organizações que atuam no campo da gestão pública, sua área de atuação.

“A gente se propõe a, junto com as lideranças sociais, ir criando processos formativos e de mobilização nos territórios, de articulação territorial e temática de agendas. Isso faz diferença nesse cenário: esse olhar do monitoramento, do controle social da sociedade civil. É a partir dessa ação ativa e participativa que produzimos reflexões de políticas públicas melhores, tensionando os tomadores de decisão, identificando em que pontos os processos de formulação das políticas precisam avançar“, afirmaram.

O Fundo Positivo, por sua vez, trouxe a importância da articulação com movimentos e organizações para influenciar políticas públicas. Segundo os/as integrantes da equipe, é a partir da comunicação em rede que é possível debater a ampliação dos direitos sociais garantidos à população com a qual atuam.

“O trabalho do Fundo Positivo visa contribuir para que esse movimento social, ampliando-se para o movimento de mulheres, para o movimento LGBTI, possa continuar o seu trabalho de construção dessas políticas de acesso a direitos, acesso à saúde. Para que essas instituições continuem existindo num país tão diverso e que continuem oferecendo serviços aos mais vulneráveis”, disseram. Nesse sentido, tem uma grande relação com a questão da filantropia de justiça social, por ser um fundo que possibilita que essas vozes possam ecoar através dos movimentos a que estão vinculadas e a ofertar um grande número de serviços a essas populações, especialmente de acesso à justiça e direitos como um todo”, concluíram.

No Fundo Elas, a complexidade de se fazer uma comunicação que não é baseada no institucional, mas nos programas, se torna mais sutil quando se atua de forma integrada com atores do campo.

“Na comunicação do Elas, temos também o desafio de ter realizado ao longo dos anos uma comunicação fragmentada, focada em diferentes programas em vez de comunicar o todo institucional. Temos, portanto, um papel fundamental no apoio à sustentabilidade e ao desenvolvimento dos movimentos de mulheres no Brasil, apoiando há 20 anos suas principais conquistas, mobilizando mais parceiros e financiadores”, afirmaram.

Já o ISPN ressaltou a importância de se ter contato direto com a população beneficiada por seu trabalho para fortalecer a noção de direitos não tão difundidos, como o “acesso ao território”.

“O ISPN atua também no sentido de valorizar as populações beneficiadas, composta por pessoas historicamente marginalizadas ou com direitos negados: agricultores familiares e povos e comunidades tradicionais. Busca-se deixar com eles o protagonismo das ações, que também se configuram em ações políticas na defesa de seus direitos, principalmente no que diz respeito ao direito ao território”, afirmou a equipe de comunicadores/as.

A equipe do Fundo Brasil traduziu no conceito da criação de pontes a proposta de, mais do que comunicar, atuar em rede, fazendo e fortalecendo conexões como forma de amplificar mensagens.

“Criamos pontes entre grupos de base com afinidades de pautas ou interesses comuns, e destes com parcelas da sociedade interessadas em investir no desenvolvimento sustentável de coletividades por todo o país”, disseram os/as integrantes da equipe que atua com a comunicação do Fundo Brasil.

No Instituto Baixada, os/as comunicadore/as ressaltaram a importância de se “trilhar por um mesmo caminho” quando se deseja chegar a um objetivo comum, no caso, a qualidade de vida do/a morador/a da Baixada Maranhense.

“Todos devemos trilhar por um mesmo caminho levando sempre em consideração os objetivos dos coletivos, o que acaba agregando melhorias na qualidade de vida individual do ser baixadeiro”, lembraram.

Na entrevista feita com o ICOM, ficou evidente o papel da organização em não apenas trabalhar pela autopromoção, mas também fortalecer um ecossistema de organizações e coletivos.

“O trabalho do ICOM é importante porque fortalece a sociedade civil organizada, apoia causas de justiça social, que promovam equidade, democratiza o acesso a recursos e cria espaços de elaboração e compartilhamento de conhecimento”, afirmaram.

No iCS, de acordo com o depoimento dos/as comunicadore/as, o diálogo com múltiplos atores é o caminho mais efetivo e aponta para transformar as políticas públicas de clima.

“Buscamos construir evidências que promovam espaços de diálogo entre múltiplos atores, apontando para impulsionar ainda mais a agenda do clima no Brasil. Isso envolve, então, compromissos políticos e econômicos, além de mecanismos de governança e controle mais efetivos para políticas que afetam o clima”, disseram.

Para o Fundo Baobá, o reconhecimento dos atores envolvidos no processo de comunicação da organização é fundamental. A equipe de comunicação do fundo ressaltou que é preciso saber que quem doa e quem recebe são sujeitos de suas histórias”.

“Embora possa parecer que há uma relação hierárquica diferenciando quem doa e quem recebe, ambos são sujeitos de suas histórias e a filantropia que considera as dinâmicas estabelecidas nos territórios, nas comunidades como peça-chave para a transformação dá essa dimensão de complementaridade dos papéis atribuídos a cada ator político envolvido”, afirmaram.

CONTINUE LENDO

Rede Comuá participa do C20, grupo de engajamento de organizações da sociedade civil do G20
Rede Comuá participa do C20...
19 de abril de 2024
Nos últimos anos, a filantropia no Brasil tem sido alvo de crescente escrutínio, catalisado tanto por movimentos globais quanto nacionais, como o Black Lives Matter (Vidas Negras Importam, no Brasil), o movimento #ShiftThePower (#PoderParaAsComunidades, em português), o Mês da Filantropia que Transforma, promovido pela Comuá e parceiros, a Philanthropy Transformation Initiative (Iniciativa pela Transformação da Filantropia, em tradução livre), pela WINGS, entre outros. Essas iniciativas promovidas por diversos atores da sociedade civil, bem como por organizações e redes filantrópicas, refletem uma crescente conscientização sobre a necessidade de abordar não apenas desafios sociais imediatos e a policrise, mas também questões sistêmicas que estão na raiz das desigualdades e da injustiça. Elas também levantam a questão do papel (e compromisso) real da filantropia com a transformação.
A Transformação da Filantro...
11 de abril de 2024
Revista Plurais
Rede Comuá lança a revista ...
21 de março de 2024
Associação Nossa Cidade (Fundo Regenerativo de Brumadinho) passa a integrar a Rede Comuá
Associação Nossa Cidade (Fu...
21 de março de 2024
Carregando mais matérias....Aguarde!